Uma praça em Antuérpia, de Luize Valente


Ficha técnica
TítuloUma praça em Antuérpia
Autora – Luize Valente
Editora – Saída de Emergência
Páginas – 352
Datas de leitura – de 07 a 13 de março de 2017


Opinião
De volta à Segunda Grande Guerra.
Comprámos este livro na Feira do Livro do ano passado (sim, já estou nas leituras de setembro J). Recomendei-o ao maridinho, sugeri-lhe que lesse a sua sinopse e mais não foi preciso. Uma praça em Antuérpia foi a sua “compra individual” (tínhamos “direito” a comprar um livro para cada um e outro que agradasse a ambos).
Nenhuma leitura que seja sobre este conflito que me fascina é um desperdício de tempo. Nenhuma. Porque todas me alimentam o fascínio, todas me fazem saber um pouco mais e todas me transportam para uma época que infelizmente me obriga a compreender melhor o que se vai passando mais de setenta anos depois. Esta de Luize Valente tão-pouco foi uma perda de tempo, pois não só me alimentou o referido fascínio, me alargou os conhecimentos sobre a referida contenda, como também me proporcionou regressar a Antuérpia após lá ter estado há 6 anos.
Foi assim uma leitura perfumada com um cheirinho muito pessoal, de nostalgia e de recordações soberbas de umas férias por terras belgas.
Quem consulta a sinopse de Uma praça em Antuérpia fica a par da trama da obra e das suas protagonistas, cujas vidas serão viradas do avesso com o estalar da guerra e sobretudo com a chegada do exército nazi a terras belgas. Clarice e Olívia são duas irmãs gémeas portuguesas detentoras de um carácter doce mas determinado e com as quais facilmente criamos empatia. São obviamente as personagens principais da obra, embora os percalços da vida de uma ganhem primazia face à existência mais pacata da outra. É uma delas que por causa de um grande amor saltita entre duas cidades portuguesas e passará os momentos mais felizes da sua vida na florescente cidade de Antuérpia. É também as recordações dessa gémea que unem pontos desfeitos e criam ligações entre os anos 30 e 40 e os primeiros dias do novo milénio.
A narrativa está assim dividida entre o passado e o presente e à medida que vamos avançando na sua leitura vamos compreendendo que a obra está repartida num prólogo e em mais cinco partes. Somos detentores, desde as páginas iniciais, da revelação de um dos fatores principais (senão do principal) para o desenrolar da trama e todas as suas restantes páginas são um buscar do porquê, do como, do quando e do onde. Não considero que a opção da autora em fazer essa revelação tão prematuramente faça decrescer o interesse do leitor pelo que se passará nos seguintes capítulos. Acho sim que Uma praça em Antuérpia nos proporciona uma leitura deveras interessante, com personagens atrativas e um enredo aliciante. Só creio que o final peca por parecer pouco credível e rebuscado, o que sempre me faz torcer o nariz e consequentemente baixar a pontuação final.
Já referi nesta opinião que a leitura desta obra foi muito aprazível não só pelo seu conteúdo, mas igualmente porque trouxe ao de cima recordações de dias recheados de sabor. Uma das protagonistas chega a Antuérpia de comboio e deslumbra-se com a majestosidade da estação da cidade. Também eu, há seis anos atrás, segui os passos de Clarice e fiquei longos minutos a admirar a beleza de Antwerpen Ceentral, a compará-la a uma catedral. A mesma personagem viveu momentos inesquecíveis em Grote Markt, a praça principal da cidade. Também eu percorri com os olhos todos os seus cantinhos, contemplei os seus edifícios, as estátuas que encimam alguns deles, a fachada repleta de bandeiras da sua câmara e os pormenores da estátua central cuja lenda nos informa da origem do nome da cidade. Estive apenas um dia em Antuérpia, mas não mais esquecerei a sumptuosidade da sua arquitetura e o facto de o meu filhote ter compartilhado breves momentos de brincadeira com um menino judeu, num jardim polvilhado de família judias, com as suas vestes e penteados tradicionais.
Deixo-vos por fim algumas fotos que comprovam a minha passagem por Antuérpia e que vos podem abrir o apetite não só para visitar a cidade como também para ler o quanto a mesma foi determinante para moldar Clarice enquanto mulher de um carácter doce e determinado.


Interior da Estação de Antuérpia


Exterior da Estação


Grote Markt



Grote Markt


NOTA - 08/10 

Sinopse

Há uma saga que ainda não foi contada sobre a Segunda Guerra Mundial: a história de duas irmãs portuguesas, Olívia e Clarice. Olívia casa-se com um português e vai para o Brasil. Clarice casa-se com um alemão judeu e vai morar em Antuérpia, na Bélgica. Ambas vivem felizes, com maridos e filhos, até que a guerra começa e a Bélgica é invadida.
Para escapar da sombra nazi que vai devorando a Europa, a família de Clarice conta com a ajuda de Aristides de Sousa Mendes, o cônsul que salvou milhares de vidas emitindo vistos para Portugal, em 1940, enquanto atuou em Bordéus, França. A família recebe o visto mas, ao chegar à fronteira de Portugal, um destino trágico a espera... Destino que vai mudar e marcar a vida das irmãs para sempre, por causa de um segredo que só será revelado sessenta anos depois.

Sem comentários:

Enviar um comentário